Questões sucessivamente mais complexas precisam ser bem resolvidas, à primeira, e de forma mais e mais eficiente, a partir da analise de quantidade crescente de dados.

Sistematicamente vejo pessoas a pedir eficiência nas operações e processos; mais rapidez, menos material, menos desperdício, menos operações, menos erros, menos recusas, menos segundos serviços… mais lucro. Ou seja, mais competência.

Recentemente num cliente, fazia notar que, importa trabalhar o processo, mas como meio para conseguir o resultado.

Por vezes, nesta procura constante, e obcecada até, esquecemos o objectivo macro da operação e/ou a integração das micro operações nesta, pelo que leva a resultados finais algo distintos na pretensão da satisfação do cliente.

É necessário, como na pedagogia, começar por alinhar o processo com o resultado, ou seja, definir minuciosamente o objectivo global e com cuidado descrever as tarefas, exactas, que garantam o cumprimento do pretendido, ainda que inicialmente, o tempo ou os recursos usados apresentem algum desperdício.

A maximização do resultado, deve ser feita de modo sistemático e passo a passo, metodicamente, e neste particular, aconselho o método GRAF.

Esta metodologia vai permitir-nos melhorar o desenvolvimento da produção, seja pelo tempo usado, seja pela analise das tecnologias e materiais empregues.

Desta forma, conseguimos incrementar a produtividade e a consequente eficiência, sem perder de vista o objectivo a que nos referimos acima. Isto quer dizer que, não existe eficiência sem eficácia.

Calma, debate franco e pensamento lógico conduz a força à sua máxima eficácia.”

Billy Corgan (William Patrick Corgan), Compositor, Vocalista e Guitarrista rock (Smashing Pumpkins)